Seu Navegador não tem suporte a esse JavaScript!
 
Data: 04/05/2012 Hora: 09:00:00
Vila Santa Cecília
Webline Sistemas

Encimando uma região que domina os horizontes, a vila Santa Cecília, marcante pela religiosidade que inspirou sua implementação, é, antes de tudo, um local que se respira paz, harmonia e tranqüilidade. Dominando amplas vistas da cidade, de vários pontos privilegiados podemos ver, ainda, visualizar vastas áreas promissoras de crescimento e expansão, avançando em direção as vizinhas Lençóis e Borebi. Em seu perímetro e adjacências, a um só tempo, concentram-se e espraiam-se universos cosmopolitas de atividades, desde sócio-assistenciais às de cunho comercial e industrial. Não é das maiores, mas, podemos afirmar – com certeza- que é c uma das melhores vilas para se viver em Agudos.

Pioneiros e fundação: Os pioneiros tempos do local tem sua historia ligada à exploração agropastoril, como propriedade ainda rural da família Moya, imigrantes e descendentes espanhóis que ali escolheram para se radicar. Depois, vieram Capitão Francisco Avato e o Sr. José Gimenez Padilha, que logo vislumbraram a potencialidade promissora de lotear, o que, em verdade, logo puseram em pratica. O capitão Francisco Avato era um abastado fazendeiro do Município, e a sua patente o vinculava a antiga  e pitoresca Guarda Nacional (título honorifico adquiriu), motivo de muito orgulho para si e seus familiares. O Sr. José Gimenez Padilha, por sua vez, era proprietário do não menos famoso e tradicional “Bar Gloria”, situado na esquina da Rua 13 de Maio com a Avenida Rui Barbosa, próximo ao Cine Teatro São  Paulo e o Agudos Tênis Clube de então. Nas proximidades ficavam ainda, o bar São Paulo, bar do Richard, Bar Cruzeiro, Posto de Gasolina dos Irmãos Travain, Ponto de Taxis, Ponto de ônibus, sorveteria da família Goto, vários escritórios muito movimentados, camelos, engraxates e uma profusão de populares e passantes.

O “Bar Gloria”, estratégico, pelo visto, passou a ser ponto de venda de tais lotes, cujo sucesso ninguém tem como negar. A esta altura o velho Capitão já se transferira definitivamente para a Capital com seus familiares, transferindo também ao Sr. Padilha todos os seus direitos e interesses em nossa cidade, o qual passou a ser oo único senhor absoluto e único vendedor; atividade que exercia com Maestria.

Quem conheceu o Sr. Jose Padilha há de se lembrar de sua figura simpática, amistosa, popular, pelos mais íntimos chamados de “Tubarão”, talvez aos finos charutos, ternos brancos de linho “120” e chapéu de palhinha “Panamá” de seus usos. Era, no entanto, um homem singular, bom e estimado por sua clientela, a quem sempre bem atendia e a tudo facilitava. Deu-se assim, o feliz sucesso de sua empreitada, coroado ainda mai com os áureos tempos em que nossa urbe passou a ser denominada “Princesinha Industrial”.

Ontem, Hoje, Amanha: A vila Santa Cecilia guarda consigo inúmeras tradições e lembranças de um passado recente repleto de glorias.

O seu povo alegre e hospitaleiro jamais descurou de um crescimento sustentado e racional, norteado por um elevado espírito de religiosidade, tanto é assim que ali se concentram igrejas de todos os credos. Sempre voltamos ao bem estar de sua juventude, foi continuado a ser um celeiro de desportistas, intelectuais e cidadãos identificados pelo altruísmo, muito dos quais legaram terrenos para a construção de obras publicas.

Quem hoje passa por suas ordeiras ruas pavimentadas, pode verificar a veracidade do que é dito, principalmente aqueles que já trazem na tez e nas frontes as marcas dos tempos, imaginando no lugar os “campinhos de futebol” de outrora; dos times dos Cabreras, dos Zamoras e seus aguerridos companheiros.

Passado, presente e futuro se encontram nesse bairro tão acolhedor. A serenidade, a retidão, e a paciência de um Caetano Bianchi, um Andre Zamora, dos Lauris, jamais contrastaram com os arroubos de entusiasmo de um Miguel Leão, homens que como todos os demais vizinhos e residentes, construíram com seu pioneirismo uma comunidade fraterna, solidaria e cristã.

Tudo isso se confirma por seus posteros, que perolam como pessoa de bem.

 

Enviar esta notícia para um amigo

Reportar erro